Saia da poupança e aprenda a fazer investimento no Tesouro Direto

Tempo de leitura: 11 minutos

Você prefere mais segurança do que rentabilidade, não tolera as flutuações do mercado ou busca algo para equilibrar suas aplicações financeiras? Fazer investimento no Tesouro Direto pode ser uma ótima escolha para atender suas necessidades. Descubra como nos próximos parágrafos!

O Tesouro Direto é uma das melhores opções em renda fixa, pois paga bons valores anuais e maiores do que a poupança. No entanto, a previsão é de queda após o corte de juros em novembro de 2016. Portanto, fique ligado! A dica é adquirir o quanto antes para não perder a oportunidade de lucrar mais.

O baixo aporte inicial, bem como, a simplicidade, tornam o Tesouro Direto um dos investimentos mais seguros e acessíveis do país. O que explica o recorde de inscritos no ano passado. Foram mais de 1 milhão de cadastros na modalidade que é uma interessante alternativa à poupança.

Logo, fazer investimento no Tesouro Direto é de grande relevância para poupadores e pessoas que procuram investir no mercado brasileiro com menos riscos. Além disso, o ativo se configura como uma excelente alternativa para investidores que procuram diversificar suas carteiras.

Quer saber como começar?

Então, vamos à leitura de hoje ; )

  1. Por que investir (características e vantagens)

Investimento no Tesouro Direto - vantagens

O Tesouro Direto é composto de títulos públicos, expedidos pelo governo federal, com o intuito de custear atividades, como obras de infraestrutura, hospitais e escolas. Nesse caso, quando faz a aquisição de um título, você empresta capital para o país e ainda lucra com isso.

É um formato bastante fácil de aplicação e que permite definir a rentabilidade em curto, médio ou longo prazo. Isso acontece, pois em renda fixa, como é o caso do Tesouro Direto, já é possível determinar o percentual de ganhos no ato da aquisição, ao contrário da renda variável.

Por isso, fazer investimento no Tesouro Direto é considerado bastante seguro e indicado para perfis conservadores. Investidores com essa característica não gostam de correr grandes riscos, costumam estar em uma fase mais avançada da vida e buscam a estabilidade como meta principal.

Conheça mais algumas vantagens:

Acessibilidade: Todos os portadores de CPF, que possuem conta em instituições (bancos ou corretoras) habilitadas, podem investir. As movimentações podem ser feitas pelo celular e demais dispositivos móveis.

Baixo custo: As taxas cobradas ficam em torno de 0,3% pela BM&FBOVESPA e até 2% pela instituição financeira. Varia conforme o tempo e o volume aplicado. Veremos sobre isso mais adiante.

Liquidez: O resgate de valores pode ser feito antes do vencimento. Isso porque, diariamente, o Tesouro Nacional faz recompras ilimitadas. Mas, para revender, o investidor fica sujeito ao valor do título naquele dia.

Versatilidade: As aplicações podem somar montantes altos ou baixos. É preciso apenas respeitar o valor mínimo que é de R$ 30 para começar e de, no máximo, 1 milhão a cada mês.

Depois de entender como funciona esse mercado, é importante saber qual título escolher. Veja como fazer isso no tópico a seguir.

2) Conheça suas opções

Investimento no Tesouro Direto - conheça
Os títulos são classificados em dois grupos: Pré-fixados e Pós-fixados. O que os diferencia são as tarifas de juros, bem como, a rentabilidade. O ideal, para ambos, é que sejam resgatados após o vencimento para que não haja perda. No entanto, a restituição pode ocorrer a qualquer momento. Entenda:

Pré-Fixados: A lucratividade é definida no ato do investimento. Exemplo: Título com remuneração de 14% ao ano, vencimento em 12 meses e aplicação de R$ 2.000,00. O investidor sabe que receberá R$ 2.280,00* quando a aquisição vencer. Opções sugeridas:

  • Nota do Tesouro Nacional Série F (NTN-F): Pagamentos de juros semestrais e restituição do valor investido no vencimento ou na venda do título. Quanto maior o prazo, melhor o pagamento.
  • Letra do Tesouro Nacional (LTN): Pagamento dos juros no vencimento ou na venda do título e a restituição do valor funciona da mesma forma.

Pós-Fixados: Aqui os valores são ajustados por um indicador e taxa predefinida. O IPCA (Índice da Inflação Oficial) e a Taxa Selic (juros do Banco Central) são os mais utilizados. Desse modo, o valor real só será conhecido assim que o título vencer. Sugestões:

  • Letra do Financeiro do Tesouro (LFT): Indexado à taxa Selic; pagamentos de juros e restituição no vencimento ou na venda do título.
  • Nota do Tesouro Nacional Série B (NTN-B): Indexado ao IPCA (garantia de lucro); pagamentos de juros semestrais e restituição do valor investido no vencimento ou na venda do título.
  • Nota do Tesouro Nacional Série B Principal (NTN-B PRINCIPAL): Pós-fixado; indexado ao IPCA e pagamento de juros no vencimento ou venda do título.
  • Nota do Tesouro Nacional Série C (NTN-C): Indexado ao IGP-M (índice geral de preços); pagamento de juros semestrais e restituição do valor investido no vencimento ou na venda do título.

Portanto, existem títulos para os mais variados perfis. Lembre de descobrir o seu para acertar na escolha! Fazer um bom investimento em Tesouro Direto, assim como, em outras modalidades, implica em analisar seu objetivo e qual forma de rentabilidade lhe ajudará a alcançá-lo com mais rapidez.

No site do próprio Tesouro Direto existe um questionário para lhe ajudar na decisão. Se ainda estiver com dúvidas, acesse aqui.  

* Títulos sujeitos à tributação. Valores não considerados no cálculo.

3) Entenda os riscos

Investimento no Tesouro Direto - conheça

O Tesouro Direto é um investimento de baixíssimo risco, pois como vimos anteriormente, o governo federal é o credor do empréstimo. No entanto, se o investidor faz a venda dos títulos antes do vencimento, o ganho, ou a perda, estarão submetidos ao valor de mercado naquele momento.

É importante notar que o preço do título tem uma relação contrária à taxa de juros do dia. Dessa maneira, pode acontecer da remuneração ser maior ou menor do que o esperado. Se ela aumentar em comparação à contratada, o preço do título diminui e assim por diante. Não esqueça da regra.

Esse é o maior risco de fazer investimento no Tesouro Direto, a não ser que o governo resolva dar um calote nos investidores. Então, depois que estiver operando, fique ligado na sua rentabilidade. Acesse o site do Tesouro Direto e acompanhe a movimentação dos juros em seu extrato sempre que puder.

Quanto à garantia, o Tesouro Direto não é assegurado pelo FGC (Fundo Garantidor de Crédito). Porém, os títulos que você comprar serão registrados no seu CPF. Então, caso a instituição com a qual você trabalhe passar por algum problema, a titularidade é mantida e garantida ao investidor.

4) Como adquirir e calcular a rentabilidade

Investimento no Tesouro Direto - rentabilidade

Para fazer investimento no Tesouro Direto, além de possuir CPF, você precisa abrir conta em um banco ou corretora de valores para fazer transações. Antes, lembre-se de verificar se as instituições são habilitadas a operar com títulos públicos federais e quais as taxas de administração cobradas por elas.

Contate o banco ou corretora escolhida e peça para que seja efetuada sua inscrição no Tesouro Direto. Envie a cópia dos documentos que forem necessários (RG, CPF, comprovante de residência, etc)  e a instituição fará seu cadastro e uma nova conta na plataforma do investimento.

Com toda parte burocrática finalizada, você vai receber uma senha provisória da BM&FBovespa para realizar seu primeiro acesso. Todas as operações, de compra e venda, acontecem em uma área restrita do Tesouro Direto. Lá, você também irá consultar saldos e extratos. Feito isso, é só começar!

Passo a passo:

  1. Acessar o site do Tesouro Direto;
  2. Escolher uma instituição financeira  habilitada;
  3. Solicitar cadastro e abertura de conta no Tesouro Direto;
  4. Enviar cópia dos documentos necessários;
  5. Receber a senha provisória;
  6. Redefinir a senha para a área restrita;
  7. Começar a operar no Tesouro Direto.

Agora, para calcular sua rentabilidade antes de fechar a aquisição do título, utilize esse link. Com todas as taxas, datas e definição da compra em mãos você já consegue ver o lucro futuro na simulação básica. E atenção ao próximo e importante tópico. Você de olho nas…

5) Taxas e Impostos

Investimento no Tesouro Direto - taxas
Existem duas taxas e dois tipos de impostos que podem ser cobrados do investidor quando faz investimento no Tesouro Direto. Saiba o que é cada um deles e entenda também o mecanismo de funcionamento dos impostos que podem incidir sobre os rendimentos.

Taxa de custódia: Cobrada pela BM&FBovespa no 1º dia de janeiro ou de julho e/ou em caso de pagamento de juros, venda ou vencimento (o que acontecer antes). O valor é de 0,3% ao ano e refere-se aos serviços de guarda, informação e movimentação dos títulos.

Taxa de serviços: Valor acordado entre instituição financeira e investidor pelos serviços prestados. Alguns locais não costumam fazer essa cobrança, mas outros o fazem por cada operação realizada. Cheque todos esses detalhes no momento da contratação.

Imposto de Renda: O IR é cobrado assim que o título vencer, ao receber juros semestrais ou em resgates antecipados. O valor irá variar conforme o tempo da aplicação. Quanto maior for o período em que o investidor permanecer com o título, menor será a alíquota cobrada. Confira:

  • 22,5% sobre rentabilidade até 180 dias;
  • 20% sobre rentabilidade de 181 a 360 dias;
  • 17,5% sobre rentabilidade de 361 a 720 dias;
  • 15% sobre rentabilidade após 720 dias

Imposto sobre Operações Financeiras: Só haverá IOF sobre resgates efetuados antes do período de 30 dias. Assim como o Imposto de Renda, sua alíquota é regressiva, sendo: 96% para resgate no 1º dia, 3% no 29º dia e, após um mês, o imposto não é mais cobrado.

6) Diversifique os investimentos

Investimento no Tesouro Direto - diversificar

Como comentei lá no início do post, muitos investidores também fazem investimento no Tesouro Direto para diversificar suas carteiras. Mas, o que isso quer dizer? Essa estratégia é muito utilizada para “distribuir” o dinheiro em “diversas” formas de rentabilidade e, com isso, criar um equilíbrio.

Ao fazer isso, diminuímos drasticamente nossa chance de erro. Ou seja, minimizamos os riscos e potencializamos os lucros.  Isso porque quando um tipo de ativo estiver “mal das pernas”, outro poderá compensar essa perda com o rendimento que trouxer em determinado mês.

Portanto, diversificar é distribuir de maneira equilibrada o peso entre os dois lados da balança. É bem isso mesmo! Quando olhamos para ela, um lado segura o oposto e não o deixa cair, certo?! Uma dupla bem articulada, com boas doses de estabilidade, forma a figura perfeita.

E nos investimentos você pode agir assim  também! Logicamente respeitar o seu perfil é primordial, mas eu quero que você ao menos pense sobre isso. Quem sabe investir em Tesouro Direto e no Mercado de Ações? Renda fixa e variável formam uma ótima e ponderada combinação.

Ou, se você está mais para conservador mesmo, analise a possibilidade de conhecer os Fundos Imobiliários. Uma forma mais tranquila e segura de investir assim como você busca. O importante é nunca deixar de lucrar e de pensar lá na frente, na sua independência financeira.

Estamos combinados?!

Saiba fazer investimento no Tesouro Direto – Recapitulando

  1. Conheça todas as suas características e vantagens;
  2. Leve em conta e analise todas as opções disponíveis (Pré e pós-fixados);
  3. Antes de começar, entenda os riscos;
  4. Abra sua conta em uma instituição habilitada;
  5. Solicite sua inscrição no Tesouro Direto;
  6. Calcule sua rentabilidade antes de adquirir um título;
  7. Lembre-se de diluir todas as taxas e impostos;
  8. Diversifique para minimizar as perdas e potencializar os lucros.

E conte comigo para o que você precisar!

Meu trabalho é ajudar e motivar as pessoas a alcançarem a independência financeira. Com isso, elas podem conhecer e cuidar da suas finanças, além de utilizar um método exclusivo que desenvolvi. Aprenda também a como executar seu planejamento de forma prática e sem perder mais tempo!

Conheça o meu método, sem compromisso, aqui.

Espero que tenha gostado do post de hoje e que você se sinta mais preparado para fazer investimento no Tesouro Direto a partir de agora! Se você sente que foi útil pra você, aproveite para compartilhar esse conteúdo com os amigos para que ele possa chegar a outras pessoas e ajudá-las com seus investimentos.

Um grande abraço e até a próxima semana!

Marcello.