Ações da Petrobras: comprar ou não?

Tempo de leitura: 4 minutos

ações da PetrobrasA Petrobras, como você deve saber, foi vítima de uma má administração por parte do governo, incluindo desvios de dinheiro. Isso, aliado a outros fatores externos, como a queda no preço do petróleo e o investimento no Pré-Sal, fez com que os lucros caíssem, a empresa passasse a dar prejuízo e as dívidas aumentassem. Diante dessa crise, os investidores iniciantes passaram a se perguntar: “devo comprar ações da Petrobras já que o valor caiu?”

Ainda que o preço das ações esteja historicamente baixo, a resposta é “por enquanto não”, mas não vamos nos limitar a um simples sim ou não nesse post. Vamos falar também sobre as lições que o caso da Petrobras deixou sobre a forma correta de se investir na bolsa de valores. Confira:

1. Use os critérios certos para selecionar ações

A forma mais eficiente de montar uma carteira de ações é selecionar empresas lucrativas, bem administradas e consistentes. O investidor que pensa em longo prazo tem que considerar não o preço da ação, mas o valor dessa empresa, se ela tem uma boa saúde financeira e é bem administrada.

Se a empresa não possuir algum desses critérios, ela não deve fazer parte de sua carteira de ações. É  preciso ter um método para selecionar e manter essas ações na sua carteira. (No post Dicas para escolher uma boa carteira de ações falamos sobre isso.)  Caso você tenha alguma ação que comece a sair desses critérios, venda e aplique esse dinheiro em outra que preencha esses requisitos.

Foi o que eu fiz há algum tempo: vendi as ações da Petrobras porque ela deixou de preencher os requisitos. Isso aconteceu quando as ações estavam começando a cair, depois de um longo período de alta. Fiquei o tempo certo de lucrar e saí antes de começar a perder dinheiro.

2. É importante saber a hora de sair

Muita gente tinha ações da Petrobras e assistiu às quedas do preço do petróleo e da lucratividade do Pré-Sal, seguida da queda da lucratividade da empresa, mas mesmo assim várias pessoas continuaram sócias da Petrobras.

Depois, ainda veio o governo fazendo uma série de besteiras na administração, a descoberta nos desvios de dinheiro, ou seja, o cenário foi piorando e a empresa se afundando, mas, ainda assim, muitos acionistas seguiram investindo. Isso se deu muito mais por uma questão emocional, do que técnica. As pessoas pensavam algo como: “Ah, eu tinha R$ 20 mil em ações da Petrobras e agora só tenho R$ 8 mil… vou esperar para recuperar.” Não cometa esse erro! É muito melhor você pegar esses R$ 8 mil e investir em outra empresa, que esteja dentro dos critérios de rentabilidade de ações do que deixar lá e perder muito mais do que os R$ 12 mil.

3. Nenhuma empresa é inquebrável

Só em 2015 as ações da Petrobras caíram 50%. Muita gente, com quem eu conversei há um ano e decidiu assumir o risco de investir, acabou levando prejuízo de aproximadamente 50% no ano passado. Ou seja, não tinha critérios para comprar ou manter essas ações na carteira, diante de todo o cenário que já comentamos. A esperança de que vai voltar a subir ou que a ação esteja barata para comprar não são critérios seguros para investir. (Nesse post aqui falamos sobre a diferença entre o investidor esperança e o investidor sofisticado)

A dica é: não compre uma empresa pensando que só porque extrai petróleo, dificilmente terá uma crise e sempre dará lucro. Nenhuma empresa é inquebrável. Nenhuma empresa dará lucro para sempre. você tem que estar sempre de olho, investindo de maneira dinâmica.

A Enron, uma companhia de energia elétrica dos Estados Unidos foi outro exemplo de empresa que quebrou em 2001, após uma crise de má administração e desvio de dinheiro. Isso acontece de tempos em tempos com várias empresas no mundo todo. É claro que você não deve ficar com “birra” de determinadas empresas que passaram por situações críticas como essas, mas deve valer-se dos critérios certos para investir ou não.

Conclusão

É muito importante ficar atento e não comprar ações simplesmente porque simpatiza pela empresa ou porque pensa que ela é imbatível. Utilize um método confiável para avaliar e, se for pra vender, venda sem dó.

Empresas que geram valor têm as ações cada vez mais altas. Por outro lado, empresas que têm uma dívida muito difícil de ser paga, não inspiram confiança e não agregam valor – independente do preço de suas ações.

Pode chegar o momento em que a Petrobras pode equilibrar suas dívidas, que o preço do petróleo volte a subir, aí, a partir desse momento, pode ser que se volte a enxergar valor na empresa e que seja o momento de investir. Mas, por enquanto, não, ainda não é o momento de comprar ações da Petrobras.